Anterior

Governador anuncia convocação da reserva técnica da Secretaria de Estado da Educação

13/10/2016

Anterior

Próxima

Operação integrada resulta na apreensão de drogas e arma de fogo em Arapiraca

14/10/2016

Próxima
14/10/2016 - 10:00
Prefeitos eleitos correm risco de não assumir mandato por crime eleitoral

Nas cidades de Maragogi, Pão de Açúcar e Pilar, candidatos usaram a estratégia do
Por: Alagoas 24 Horas
 Foto: Reprodução / Alagoas 24 Horas 

A depender do julgamento das ações interpeladas junto à Justiça Eleitoral, algumas mudanças acontecerão em pelo menos três municípios alagoanos. Nas cidades de Maragogi, Pão de Açúcar e Pilar, os candidatos eleitos Sérgio Lira, Dr. Flavinho e Renato Rezende, distribuíram o “Bolsa Voto”, estratégia que consistia em prometer aos portadores dos cartões o acesso a uma espécie de Programa Bolsa Família municipal.

A estratégia foi lançada pelo marqueteiro das campanhas, Tadeu Lira, que implantou a mesma ideia nos municípios em que coordenou, influenciando diretamente na opinião de milhares de famílias carentes, prometendo o acesso ao benefício em troca dos votos.

Em Maragogi, com tiragem de cinco mil unidades, os cartões traziam no verso, a simulação de uma tarja eletrônica com o nome e número do candidato. Nos lugares onde eram distribuídos, a informação era de que a partir de janeiro, cada maragogiense de baixa renda receberia um benefício em dinheiro.

Outra denúncia, que pode enquadrar Sérgio Lira em crime eleitoral, é o fato de que o médico realizou em sua residência diversos atendimentos médicos gratuitos com consultas e prescrição de medicamentos. O fato foi confirmado pelo próprio pré-candidato, que ao conceder uma entrevista na rádio Maragogi FM, mencionou que desde o dia 4 de maio – quando voltou a se instalar no município, sua residência havia se transformado em uma “UPA II”.

A assessoria jurídica da coligação do seu opositor, Marcos Madeira (PMDB) ingressou com uma ação de investigação judicial eleitoral (AIJE) por captação ilícita de sufrágio, ‘compra de votos’.

Flavinho Holanda

O prefeito eleito Flávio Almeida, do PMDB de Pão de Açúcar, foi vencedor com 54% dos votos, com uma ampla diferença para o segundo colocado – que usou e abusou da máquina pública. As eleições de 2016 contaram com várias notícias falsas, desde pesquisas fraudadas e divulgadas antecipadamente, que davam o adversário na frente, a até informações falsas de operações da Polícia Federal.

A notícia de que Flavinho iniciará auditoria sobre os últimos cinco anos na Prefeitura de Pão de Açúcar causou um desespero ainda maior no grupo do atual prefeito Jorge Dantas. Os ataques contra Flavinho e o povo pão de açucarense aumentaram e o alvo é uma política pública exemplar de transferência de renda, o Bolsa Viva Bem Pão de Açúcar.

A coligação Pra Mudar Pão de Açúcar lamenta que a oposição não aceite a vontade do povo e acredita, claramente, que a Justiça Eleitoral refutará quaisquer questionamentos sobre uma campanha limpa, digna e transparente.

O programa Bolsa Viva Bem Pão de Açúcar consta no plano de governo protocolado em cartório no ato do registro da candidatura de Flavinho e será cumprido já no início da gestão. Trata-se de um programa municipal de transferência de renda, nos moldes do Bolsa Família federal, que foi amplamente publicizado nas redes sociais, no guia eleitoral no rádio e nas apresentações ao eleitor durante a campanha deste ano.

Entre outras políticas públicas de desenvolvimento social, a proposta do Bolsa Viva Bem Pão de Açúcar foi lançada de forma pioneira e tem como meta estabelecida em seu plano de governo reduzir pela metade, em quatro anos, o quadro de miserabilidade encontrado atualmente na cidade de Pão de Açúcar.

O município tem cerca de 24 mil habitantes. Estima-se que, dentre eles, mais de 12 mil estejam nesta faixa de vulnerabilidade social, com renda familiar inferior a R$ 140 por mês. Com base em dados do IBGE 2015, a renda per capita dos domicílios particulares permanentes da zona rural em Pão de Açúcar é de R$ 113, inferior a de cidades vizinhas como Monteirópolis e Quebrangulo, com R$ 127; Major Izidoro, com R$ 160; Olho d’Água das Flores, com R$ 155.

Esta desigualdade social fez com que advogado Flavio Almeida, de renome na sua área de atuação, abraçasse a causa de melhorar a vida da população pão de açucarense. O povo reconheceu em Flavinho o caminho para esta mudança.

Por fim, Flávio Almeida declara que confia na Justiça e que não se renderá ao desespero do grupo de Jorge Dantas, que tenta a todo custo e sem êxito permanecer no poder e não pagar pelos diversos erros que cometeu à frente do Poder Municipal.






Link:




Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.